Connect with us

Geral

Defesas Civis de Monte Mor e Paulínia recebem veículos e equipamentos por meio de emenda do Deputado Dirceu Dalben

Publicado

em

As Defesas Civis de Monte Mor e Paulínia foram beneficiadas nesta segunda-feira, 14 de dezembro, com novos veículos e equipamentos adquiridos por meio de emendas parlamentares do deputado estadual Dirceu Dalben (PL). Os recursos foram destinados aos municípios via programa “Ação de Aparelhamento das Coordenadorias Municipais de Proteção e Defesa Civil”. O deputado Dalben destinou emenda no valor de R$ 100 mil para cada uma das cidades.

“Destinamos esses recursos com o objetivo de modernizar e aparelhar estes departamentos tão importantes, para que tenham melhores condições de prestar um atendimento rápido e eficiente em situações de emergência que venham a ocorrer. Fico muito grato a Deus pela oportunidade de contribuir com Monte Mor, Paulínia e outros municípios paulistas, para que possam vencer desafios, salvar vidas e se desenvolverem com mais qualidade de vida e justiça social”, destacou o deputado Dirceu Dalben.

Com a emenda de R$ 100 mil, a Defesa Civil de Monte Mor adquiriu 1 veículo pick-up, 1 kit de combate a incêndio, 6 motosserras, 4 geradores elétricos, 6 tendas e 4 equipamentos de iluminação.

O prefeito montemorense, Thiago Assis, destacou a importância destes equipamentos “tanto na defesa contra o fogo, quanto contra as enchentes”. “Agradeço o meu amigo deputado Dirceu Dalben, que por meio de sua emenda parlamentar, tornou esse sonho em mais uma conquista para a nossa Defesa Civil. Um deputado que, desde o seu primeiro dia de mandato, vem abrindo as portas de seu gabinete para a nossa cidade. Sem dúvida, esses equipamentos chegaram num bom momento”, destacou.

Além do recurso para aparelhar a Defesa Civil, Monte Mor também recebeu R$ 100 mil em emendas do deputado Dalben para aplicação na Saúde e outros R$ 50 mil foram destinados à Associação Assistencial Montemorense (asilo).

PAULÍNIA

Em Paulínia, a emenda parlamentar destinada pelo deputado Dalben foi utilizada para a compra de um novo veículo pick up, além de 1 kit de combate a incêndio, 8 motosserras, 3 geradores elétricos, 4 tendas e 12 equipamentos de iluminação.

O vice-prefeito Sargento Camargo reforçou a importância da Defesa Civil, que “está sempre pronta para agir, protegendo sempre a população”. Para o secretário municipal de Proteção e Defesa Civil, Toni Guimarães, os novos equipamentos chegam para somar à aparelhagem já disponível. “Agora estamos ainda mais prontos para servir à comunidade”, destacou.

Em ambos os municípios, as cerimônias de entregas dos equipamentos contaram com a presença do Secretário Chefe da Casa Militar e Coordenador Estadual de Proteção e Defesa Civil, Coronel Walter Nyakas Júnior.

Na última sexta-feira, dia 11, o município de Pereira Barreto, na região de Araçatuba, também foi contemplado com veículo e equipamentos para a Defesa Civil, adquiridos por meio de emenda parlamentar de R$ 100 mil do deputado Dalben.

Geral

Bolsonaro anuncia aumento do salário mínimo para R$ 1.100

Publicado

em

Por

O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (30), em redes sociais, a assinatura de uma medida provisória (MP) que elevará o salário mínimo para R$ 1.100, com vigência a partir de 1º de janeiro. O valor atual é de R$ 1.045.

“O valor de R$ 1.100,00 se refere ao salário mínimo nacional. O valor é aplicável a todos os trabalhadores, do setor público e privado, e também para as aposentadorias e pensões”, afirmou o presidente.

Em meados de dezembro, o Congresso havia aprovado a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2021, fixando o salário-mínimo em R$ 1.088. Na proposta aprovada pelos parlamentares, não houve aumento real no salário, tendo sido feita apenas a correção com base na previsão da inflação acumulada no ano, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

fonte ebc

Continue Lendo

Geral

Anvisa muda regras para uso emergencial de vacina contra covid-19

Publicado

em

Por

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alterou ontem (29) dois pontos dos requisitos mínimos para submissão de pedido de autorização de uso emergencial de vacinas para covid-19.

“A publicação foi alterada em pontos específicos referentes aos documentos a serem submetidos à agência”, disse a Anvisa, em nota.

A mudança foi divulgada um dia depois da farmacêutica Pfizer informar, em comunicado, que não solicitará o uso emergencial de sua vacina no Brasil.

O imunizante foi desenvolvido em parceria com a empresa alemã BioNtech e já é utilizado em países como Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha e França, entre outros. 

A Anvisa modificou um dos pontos destacados pela Pfizer como entrave para o uso emergencial. O dispositivo exigia a apresentação de um cronograma de distribuição da vacina específico para o Brasil, bem como a informação precisa da quantidade de produto acabado disponível para compra. Segundo a multinacional farmacêutica, tais pontos “só poderão ser definidos na celebração do contrato definitivo”.

Novas regras

Pelas novas regras da Anvisa, passou a ser necessário apresentar somente “informações sobre a previsão da quantidade de produto acabado disponível para importação e/ou disponibilização”.

O outro ponto alterado diz respeito ao Termo de Consentimento Livre e Esclarecido a ser elaborado com os dados específicos da vacina que se pretende autorizar para uso emergencial.

A Anvisa incluiu nos requisitos a sugestão de que seja utilizado o modelo simples disponibilizado pelo governo do Reino Unido. Pode ser empregado também “outro modelo desenvolvido pela empresa”, segundo a nova redação do Guia 42/2020.

No comunicado de segunda-feira (28), a Pfizer disse ter se reunido com técnicos da Anvisa em 14 de dezembro para esclarecer as dúvidas sobre o pedido de uso emergencial, e que, até aquele momento, concluiu ser mais célere submeter a vacina aos trâmites normais de autorização.

Continue Lendo

Geral

Com 10,8 milhões de doses, Estado de SP garante estoque para iniciar vacinação

Publicado

em

Por

Quantidade já é superior à mínima necessária para aplicação da primeira dose nos grupos prioritários da campanha

O Governo de São Paulo recebeu na manhã desta quarta-feira (30) um novo lote com mais 1,6 milhão de doses da vacina do Instituto Butantan contra o novo coronavírus.

Agora, já são cerca de 10,8 milhões de vacinas em solo brasileiro, quantidade superior ao necessário para aplicação das primeiras doses no grupo prioritário previsto na fase inicial da campanha, prevista para começar no dia 25 de janeiro.

Conforme já anunciado pelo Governo de SP, a primeira fase da campanha totaliza 9 milhões de pessoas, somando profissionais de saúde, idosos, indígenas e quilombolas, definidos como os primeiros públicos a participar da estratégia de Imunização devido à vulnerabilidade à COVID-19.

A nova carga desembarcou por volta das 5h50 no aeroporto de Guarulhos, em um voo da Swiss Air que saiu nesta terça-feira de Pequim, na China, e fez escala em Zurique, na Suíça.

Com doses já prontas para aplicação, esta é a sexta e última remessa de vacinas recebidas em 2020, e em janeiro mais lotes devem desembarcar em São Paulo.

Outras 500 mil doses chegaram também nesta semana, na segunda-feira (28), com o quinto lote de vacinas. A parceria entre o Butantan e a biofarmacêutica Sinovac Biotech foi firmada em junho. O primeiro lote com 120 mil doses chegou ao Brasil no dia 19 de novembro.

O segundo carregamento, com 600 litros a granel do insumo, correspondente a um milhão de doses, desembarcou em 3 de dezembro. Já a terceira remessa, com 2 milhões de doses, foi recebida em 18 de dezembro.

Na véspera de Natal (24) São Paulo recebeu a maior carga de vacinas com 5,5 milhões doses composta por 2,1 milhões de forma pronta para aplicação e mais 2,1 mil litros de insumos, correspondentes a 3,4 milhões de doses que serão envasadas no complexo fabril do Butantan, também em São Paulo.

“Já temos uma quantidade expressiva de vacinas disponíveis e novos lotes devem chegar agora em janeiro, o que permitirá, após o registro do imunizante pela Anvisa, o início da vacinação pela rede pública”, afirmou Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan.

Continue Lendo