sarampo

Dia D de vacinação contra o sarampo imuniza 123 crianças e jovens em Sumaré

O Dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo realizado no sábado (15) em Sumaré imunizou 123 pessoas na faixa etária de 05 a 19 anos de idade que ainda não tinham sido vacinadas ou que estavam com a carteirinha atrasada.

Segundo a Vigilância Epidemiológica durante todo o dia passaram 2.831 crianças e jovens pelas unidades de saúde e postos volantes. Desses, 28 crianças entre 5 e 9 receberam a dose. Na faixa etária de 10 a 14 anos foram vacinadas 33 pessoas. Já 62 jovens, com idade entre 15 e 19, fizeram a imunização.

A campanha, de forma seletiva, segue até o dia 13 de março, na qual as vacinadoras avaliam a situação individualmente, conforme o calendário vacinal vigente. Por isso, é de extrema importância que compareçam às unidades com a carteirinha de vacinação para avaliação e registro da vacina. “O sarampo também é causado por vírus, transmitido de pessoa a pessoa por meio de secreções ao tossir, espirrar ou falar. Portanto, é importante que as pessoas que não compareçam no Dia D procurem, o quanto antes, uma unidade de saúde para tomar a vacina”, explicou o prefeito Luiz Dalben.

Em 2019 foram notificados 115 casos suspeitos de sarampo. Do total, 89 casos foram descartados e 26 confirmados. Neste ano o município já conta com um caso positivo da doença. Segundo a Vigilância em 2019 foram aplicadas 20.382 doses da vacina SRC, nas ações de rotina, bloqueio e campanhas, conforme dados do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SI-PNI).

Ressalta-se que foram disponibilizadas pelo Programa Nacional de Imunização (PNI) 27.830 doses de vacina para o município e foram distribuídas 23.838 doses de vacina nas Unidades de Saúde.     


Os sintomas do Sarampo são febre alta, erupções vermelhas na pele, coriza, tosse, olhos vermelhos e lacrimejantes, conjuntivite, pequenas manchas brancas no interior da bochecha e manchas vermelhas pelo restante do corpo.

O vírus pode ainda causar lesões cerebrais e outras complicações que podem levar a óbito, uma vez que não há tratamento específico para a doença.