Sumaré cria projeto de acolhimento temporário de animais

O prefeito Luiz Dalben sancionou a lei que cria o projeto “Amigo Acolhedor”, voltado ao acolhimento temporário de animais abrigados nos canis municipais. Segundo a determinação,  considera-se “amigo acolhedor” a pessoa que irá acolher um animal que esteja sob os cuidados do Dembeas (Departamento Municipal de Proteção e Bem-Estar Animal), ou que tenham sido encaminhado a ONGs (Organizações Não Governamentais) parceiras do município  e que estejam disponíveis para adoção.

O Departamento de Bem-Estar ficará responsável pela criação de uma cadastro de interessados para acolher temporariamente os animais, bem como as características e os futuros tutores estão dispostos a acolher, como porte, idade aproximada, situação de saúde e o tempo de acolhimento. A partir dessas informações será realizado um cruzamento de dados e se houver compatibilidade de características entre um animal recolhido pelo Bem-Estar Animal e as informações dos interessados para agendar a retirada do animal.

No caso de adoção, o “amigo acolhedor” assinará um termo de direitos e deveres  de um tutor de animal.

“O amigo acolhedor terá preferência e cinco dias para manifestar interesse caso queira adotar o animal acolhido. O Departamento de Bem-Estar vai acompanhar os casos”, explica o médico veterinário Régis Costa, coordenador do Dembeas. “A expectativa é que a população participe bastante. Os animais que estão no Bem-Estar, por mais que demos atenção, precisa de carinho e de uma família. A intenção da lei é incentivar a adoção responsável.”

O projeto será regulamentado em 90 dias.


Bem-estar conta com 44 animais para adoção

Atualmente o Departamento de Proteção e Bem-Estar animal possui 35 cães e nove gatos residentes à espera de adoção. O site do Bem-estar (www.sumare.sp.gov.br/dembeas) possui fotos e descrição dos bichos. Quem se interessar por um deles ou qualquer outro deve entrar em contato pelo telefone (19) 3828-8451. O futuro tutor precisa apresentar um comprovante de endereço e garantir condições financeiras para cuidar do animal. Além disso, espaço telado se for gato e um responsável pelo animal em caso de ausência.

“Adoção é algo sério e que faz bem tanto para o animalzinho adotado, como também, para o tutor que recebe muitas doses de alegria”, finaliza Régis.